Jovens baianos criam app que ajuda a denunciar violência contra a mulher

Julho 7, 2019
Posted in Notícias
Julho 7, 2019 Core

Denunciar um caso de agressão não é fácil – prova disso, é que cerca de 40% das mulheres que têm essa coragem desistem e não retornam à delegacia depois, para dar continuidade ao caso. Com o objetivo de orientar as mulheres vítimas de violência a denunciar as agressões, os jovens Alan Robert do Carmo, 17 anos, e Carlos Eduardo Soares, 18, criaram o aplicativo ‘Conscientizando’.   Os dois meninos cursavam o 3º ano do ensino médio no Colégio Estadual Sete de Setembro, no bairro de Paripe, no Subúrbio Ferroviário de Salvador e contam que nunca fizeram curso relacionado à tecnologia e nem tiveram ajuda para a tarefa.

O aplicativo pode ser baixado em qualquer celular Android e traz como conteúdo inicial a Lei Maria da Penha – que foi sancionada em 2015 e é considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres. Além disso, o app tem um canal de denúncia.

“Tivemos a ideia durante um projeto cujo tema no passado foi a violência contra a mulher. Então, resolvemos criar o app, que é uma forma de comunicação mais sensível para as pessoas entenderem, que serve para incentivar a denúncia. Apesar de existir o Disque 180, Central de Atendimento à Mulher, as mulheres desconhecem o serviço ou têm medo”, explica Alan.

O app tem a versão bilíngue (Português/Inglês) e podem ser feitas denúncias sob anonimato. “Além disso, tem os tipos de violência, relatos atualizados, telefones de todas as delegacias especializadas em atendimento à mulher no país”, completa.

No Conscientizando, as pessoas podem ter informações sobre variados tipos de violência, sobre o conteúdo da Lei Maria da Penha, dados estatísticos e ainda participar de uma comunidade virtual, criada para que mulheres possam conversar sobre casos de violência que tenham sofrido ou presenciado.

Segundo os desenvolvedores, 17 mulheres já se pronunciaram e cinco relataram ter sido vítimas e algum tipo de violência.

Quando criaram o app, em março do ano passado, os estudantes não tinham noção da abrangência. Hoje, já somam mais de 2 mil acessos – 99% no Brasil e 1% nos Estados Unidos. “A Bahia foi o estado que deu mais acesso, 80%. Neste universo, Salvador foi responsável por 90% dos acessos. Os 10% que restavam foi em Feira de Santana”, declarou Carlos.

Para conhecer/baixar o aplicativo, clique aqui.

 

Com informações do Correio da Bahia.

, , ,
× Precisa de ajuda?