Garoto abre padaria para dar doces a crianças e sem-teto

Julho 6, 2019
Julho 6, 2019 Marcia Ameriot

Desde que era pequeno, Michael Platt adorava confeitaria. O menino de 13 anos, de Bowie, Maryland, nos Estados Unidos,  também se mostrava, desde cedo, um apaixonado pelas causas do combate à fome infantil e da desigualdade social.

Dois anos atrás, ele decidiu combinar seus dois amores e fundou a “Michaels Desserts”, uma padaria que, a cada doce vendido, doa outro para uma pessoa desabrigada.

“Eu sempre quis ter um propósito para o que eu faço”, Michael disse ao jornal The Washington Post.  “É tudo sobre ajudar as pessoas – não apenas ter um propósito para si mesmo, mas pensar em:” Como isso afeta outras coisas? “

O negócio

A ideia surgiu há três anos, quando ele ganhou um par de sapatos da TOMS. A marca adota um modelo de doação desse tipo e inspirou vários projetos semelhantes por todo o mundo.

Com apenas 11 anos e contando com o apoio dos pais, ele deu início ao negócio, cuja cozinha funciona em sua própria casa. Cupcakes, cookies e até bolos de casamento estão entre os seus produtos. Duas vezes por mês, ele leva os doces para uma instituição que atende pessoas sem-teto.

Ele pôde continuar com sua paixão pelo negócio,  em parte, porque é educado em casa por sua mãe, que deixou seu emprego como conselheira para o sistema escolar para cuidar de Michael em tempo integral.  Esta configuração não foi a primeira escolha da sua família.  Michael retirou-se da escola pública – e sua mãe de seu trabalho – depois que ele foi diagnosticado com epilepsia no sexto ano.  Suas crises se tornaram muito severas e frequentes demais para permitir que ele estivesse em uma sala de aula, disse sua mãe.

“Foi um momento muito, muito difícil”, disse ela sobre o período após o diagnóstico, durante o qual Michael teve que restringir sua atividade física.  “Ele teve que desistir de tudo que amava: ginástica, escalada de árvores, mergulho”.

“Foi então quando ele se jogou de cabeça na confeitaria.”

“Cozinhar me acalma”, afirma Michael.

Inspiração

Michael diz que o que ele mais gosta de fazer é entregar cupcakes para crianças. “Cupcakes fazem parte da infância de uma criança, então elas deveriam recebê-los”, contou ele ao jornal.

Hoje, o garoto vende cerca de 75 cupcakes por mês, além dos outros doces. Ele também recebe encomendas para eventos, como aniversários ou casamentos. A maioria dos pedidos é feita pelo Facebook.

Outra forma de ajuda que ele encontrou foi ministrar cursos e destinar a renda obtida a organizações. “Eu sei que um cupcake não vai acabar com a fome, mas um bom sabor, quando os tempos estão difíceis, pode tornar a vida mais doce”, escreve Michael na apresentação do negócio no site da Michael’s Desserts.

A cada mês, Michael homenageia, com receitas especiais, diferentes figuras ligadas a causas sociais. O pastor e ativista Martin Luther King Jr. é uma de suas principais inspirações. Na casa dos avós, ele ainda conserva o pôster com parte do famoso discurso de Luther King, “I have a dream” (Eu tive um sonho), que ele sabe de cor.

Ao jornal, ele admite que às vezes fica cansado de tanto trabalhar na cozinha. Mas diz reencontrar o ânimo e a inspiração quando pensa em pessoas que já impactou com as doações. “A meu ver, a comida é um direito, não um privilégio”, diz o menino.

 

Com informações do The Washington Post

, ,

Marcia Ameriot

Bacharel em Comunicação pela PUC - SP e jornalista.Há mais de 30 anos atua no Terceiro Setor, tendo dirigido grandes fundaçōes. Desenvolveu sua carreira em Comunicação em veículos de comunicação como Folha da Tarde, Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios. Especialista em Gestão de Organizações do Terceiro Setor pela FGV - SP, é Reinventora CORE e Diretora de Comunicação da Associação.
× Precisa de ajuda?