Programa “Experimentando Ciência” transforma professores da rede pública em novos Einsteins

Julho 3, 2019
Julho 3, 2019 Core

Professores do ensino fundamental de escolas municipais de Curitiba estão virando cientistas, pelo menos aos olhos dos alunos. Ao todo, 50 docentes já participaram do programa “Experimentando Ciência”, que ensina experiências científicas simples para serem reproduzidas em sala de aula. Para adquirir os novos conhecimentos, os professores escolares ocupam um dos laboratórios de química da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e aprendem com voluntários do curso de Química como conduzir experimentos que chamam atenção das crianças, tornam as aulas muito mais divertidas e despertam o interesse dos pequenos pela Ciência.

Tudo começou pela iniciativa de um professor do Curso de Química da UFPR, que, em 1995, criou o hábito de mostrar suas experiências para alunos de escolas públicas de Curitiba. “Passei a frequentar escolas para mostrar o trabalho que fazia no laboratório. Também venho da escola pública e tenho clareza da importância da educação para mudar a vida das pessoas”, recorda Francisco de Assis Marques, tutor do Programa de Educação Tutorial do Departamento de Química da Universidade (PET Química).

Muitos anos depois, em 2017, a atitude despertou o interesse da Secretaria Municipal de Educação de Curitiba, que com o auxílio de Marques criou o projeto “Cientistas na Escola”. No programa, voluntários de diversas áreas do conhecimento visitam colégios mantidos pelo município para compartilhar conhecimento com os alunos.

“O PET Química da UFPR foi um dos grupos que mais participaram do projeto”, garante o professor. Mas ele queria que mais estudantes tivessem contato com a ciência e o deslocamento dos universitários às instituições de ensino era limitado. Foi aí que surgiu a ideia de levar os professores aos laboratórios para que pudessem realizar as dinâmicas nas escolas. Assim, no segundo semestre do ano passado aconteceu a primeira edição do “Experimentando Ciência”, em parceria com a Secretaria de Educação.

Com a ajuda de estudantes universitários do Departamento de química da UFPR, os professores do ensino fundamental aprendem mais sobre teorias químicas e também como construir um foguete de plástico levantar voo pela reação do bicarbonato de sódio com vinagre. Ou ainda, a produzir uma mini erupção vulcânica. São projetos aparentemente simples, mas que fazem o maior sucesso quando acontecem diante dos olhos de crianças de cinco a 10 anos.

Novos “Einsteins”

Para obter o certificado de formação continuada pelo Programa, os professores participam de quatro encontros, ao longo de seis meses, que são realizados no Laboratório de Analítica Qualitativa do Departamento de Química, que fica no Centro Politécnico da UFPR. “Os temas são passados pela Secretaria da Educação e nós pensamos nos experimentos. O mais recente foi sobre a química do cotidiano”, detalha Renata Hellinger, aluna do 10º Período do curso de Química da UFPR e integrante do PET Química.”

Com informações da Universidade Federal do Paraná e jornal Gazeta do Povo

, , , ,
× Precisa de ajuda?